4 de abr de 2008

Qual será o futuro das tecnologias? Conheça o supra-sumo: as pesquisas mais recentes.

Qual será o futuro das tecnologias? O que já está sendo pesquisado e desenvolvido? Confira abaixo o supra-sumo da tecnologia: as pesquisas e produções mais recentes do laboratório do MIT (Instituto Tecnológico de Massachusetts) nos Estados Unidos.



E em relação aos robôs? Você já ouviu falar do "robô-mula"? Não é brincadeira! Confira alguns desenvolvimentos de robõs do exército americano (vale lembrar que foi a indústria bélica americana quem criou a Internet).






E, finalmente, em relação à Internet? O que poderá ocorrer em relação ao desenvolvimento da Web nas próximas décadas?

Opinião: Em relação à Web 2.0, acredito que o potencial dessas novas tecnologias ligadas a esse conceito é enorme em termos de produção de um novo tipo de educação, cuja aprendizagem, penso eu, será cada vez mais significativa. Mas, simultaneamente, a Web 2.0 apresenta alguns riscos atualmente, que é o fato de tais novas tecnologias estarem sendo produzidas e conduzidas por empresas estrangeiras, principalmente norte-americanas, assim como as tecnologias ligadas a produção de robôs: mas, nesse caso, deve ser incluído aí o Japão, país vassalo dos EUA.Nesse sentido, faz-se necessário problematizar as implicações da entrega de dados que todos nós estamos fazendo diariamente para essas empresas estrangeiras na Internet e os riscos que isso comporta tanto em termos individuais quanto em termos coletivos de um Estado-nação: há algum compromisso dessas empresas em guardar permanentemente esses dados, que é uma verdadeira produção cultural brasileira, ou elas podem apagá-las quando bem quiserem? Não seria a hora de o Brasil pensar em soluções próprias de novas tecnologias Web (e também de hardware), inclusive considerando o uso e incentivo ao software livre, visto que essas novas tecnologias ligadas ao conceito de Web 2.0 são, em sua maioria absoluta, proprietárias? Nesse sentido ainda, defendo um otimismo simultaneamente ligado a um processo de problematização do uso dessas novas tecnologias. Como usá-las? Mas, também, como resistir a elas? Resistência no sentido de problematização, questionamento, discussão e engajamento político-social de toda a sociedade, inclusive a escola e seus profissionais, pensando um Brasil independente em termos de tecnologia de software também na Web: e talvez entre em cena, nesse contexto, novamente o software livre, tanto citado apenas para os desktops. É preciso incentivar ainda a pesquisa e o desenvolvimento de hardware, tão pouco citado nas discussões sobre o papel do Brasil em seu processo de apropriação, pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o autor

Minha foto

Professor universitário. Graduado em Pedagogia. Especialista em Educação, Informática Educativa e Gestão e Design Instrucional para EaD Virtual. Mestre em Educação. Doutor em Educação.